Total de visualizações de página

31 de janeiro de 2008

SHOW NO SESC







música / shows

GRUPO UMOJA

O grupo através de cantigas de roda, danças circulares e percussão envolve todo o público numa grande corrente iniciando assim a Festa Umojá. A Festa Umoja quer trazer para a comunidade a força da tradição cultural negra em que a alegria, beleza e a vitória tomam todo o espaço. Formação: Euller Alves (agogo/congue/ganza/vocais) ,Rabi (alfaia/caixa/vocais), Monica (alfaia/atabaques/vocais), Andreia (alfaia/vocais), Carlos de Xango (atabaques), Kauan (pandeiro/surdo), Cacaio (cuica/agogô), Rose Eloy (ganza/abé/vocais) Jair Guilherme (cajon/pandeiro/agogo/vocais). Dançarinas: Flavia Martins, Priscila Preta, Debora Maria, Timbó, Thais Priscila, Luciana Bira ,Alania Cerqueira e Timbó (dançarino). Espaço de Eventos. Grátis.

Dia(s) 04/02 Segunda, às 16h.
SESC Santo André



> consulte aqui a relação completa das atividades oferecidas pelo SESCSP


29 de janeiro de 2008

REVOLTA DOS MALÊS

Luta de escravos muçulmanos inspirou o movimento negro contemporâneo

Considerada uma das mais importantes manifestações dos negros escravizados no início do século XIX, a Revolta dos Malês completa 173 anos nesta sexta (25). Consagrada como uma luta política pelo respeito à liberdade, à cultura e contra a imposição do catolicismo durante o período colonial. A data, definida pelos revoltosos, coincidia com o Ramadã, fim do mês sagrado muçulmano.

Planejado por africanos islâmicos, de origem haussá e nagô, o movimento chegou a reunir 600 integrantes. Os líderes eram chamados de “negros de ganho”, escravos que podiam circular pela cidade realizando pequenos trabalhos remunerados. Além disso, tinham a vantagem de saber ler e escrever em árabe, o que ajudava nas trocas de informações. O objetivo era libertar os negros e matar os brancos e mulatos considerados traidores. O pesquisador João José Reis diz que “se o levante tivesse sido um sucesso, a Bahia malê seria uma nação controlada pelos africanos, tendo à frente os muçulmanos.

Próximo ao dia do levante, negros de diversos lugares do Recôncavo Baiano começaram a vir para Salvador, mas as autoridades souberam do plano após a denúncia de uma escrava. A polícia invadiu um dos lugares onde ocorriam os encontros e reuniões dos islâmicos. Os malês conseguiram fugir e reuniram um grupo para atacar a prisão do quartel no prédio da Câmara Municipal. Para Hamilton Borges, do Movimento Negro Unificado, os malês acreditavam que era possível aos negros da Bahia uma articulação contra a escravidão. “Isso é inspirador ao movimento negro no país, a importância da revolta para a atualidade é exatamente a de lutar contra o preconceito e nos incluir na sociedade” diz Hamilton.

Repressão
A revolta tomou a cidade de forma desorganizada, mas havia um número muito maior de soldados bem armados, o que provocou um massacre. Os registros da época afirmam que 70 escravos e 7 policiais morreram no confronto. Centenas de malês foram presos e condenados à morte, castigados ou enviados de volta para África, com a Corte Portuguesa proibindo a transferência de escravos da Bahia para qualquer outro local do Brasil. Apesar da derrota imposta aos insurgentes, a revolta serviu de inspiração para as lutas contra a escravidão e para outros processos abolicionistas que culminaram com a Lei Áurea de 1888.

26 de janeiro de 2008

1ª partipação de 2008

UMOJA PARTICIPA DO UPA SP NO PARQUE DA ÁGUA BRANCA.
um cortejo de Afoxé saiu do parque da agua branca em direção a praça da Sé, de metro fomos comemorar os 454 de SP, a convite do Balé folclórico Abaçai.

17 de janeiro de 2008

Miriam Makeba

Miriam Makeba (Joanesburgo , 4 de março de 1932) é uma cantora sul-africana também conhecida como "Mama Afrika" e grande ativista pelos direitos humanos e contra o apartheid em sua terra natal.

Miriam Makeba

CINEMA NA CASA DAS ÁFRICAS

Jornal CineBecos - Lançamento do livro Punga

Opa!
Aí vai o vídeo jornal do CineBecos sobre o lançamento do livro Punga, de Elizandra Souza e Akins Kinté pela maravilhosa Edições Toró com apresentação de Denegri, Débora Marçal e Priscila Preta, Amandla, Duo Abanã, muita gente.

16 de janeiro de 2008

2008 O ANO DO ORIXÁ OGUM


Na Mitologia Yoruba, Ogun é o Orixá ferreiro, Senhor dos metais, ele mesmo forjava suas ferramentas tanto para a caça, como para a agricultura e para a guerra. Na África seu culto é restrito aos homens, existiam templos em Ondo, Ekiti e Oyo. Foi o filho mais velho de Odudua, o fundador de Ifé.

Um Itan Ifá, explica como o número 7 foi relacionado a Ogún e o número 9 a Oyá.

"Oyá era a companheira de Ogún antes de se tornar a mulher de Xangô. Ela ajudava Ogun no seu trabalho; carregava docilmente seus instrumentos, da casa à oficina, e aí ela manejava o fole para ativar o fogo da forja. Um dia, Ogún ofereceu à Oyá uma vara de ferro, semelhante a uma de sua propriedade, e que tinha o dom de dividir em sete partes os homens e em nove as mulheres que por ela fossem tocados no decorrer de uma briga. Xangô gostava de vir sentar-se à forja a fim de apreciar Ogún bater o ferro e, freqüentemente, lançava olhares a Oyá; esta, por seu lado, também o olhava furtivamente. Xangô era muito elegante, seus cabelos eram trançados e usava brincos, colares e pulseiras. Sua imponência e seu poder impressionaram Oyá. Aconteceu, então, o que era de esperar: um belo dia, ela fugiu com ele. Ogún lançou-se à sua perseguição, encontrou os fugitivos e brandiu sua vara mágica. Oyá fez o mesmo e eles se tocaram ao mesmo tempo. E, assim, Ogún foi dividido em sete partes e Oyá, em nove, recebendo ele o nome de Ogún Mejé e ela o de Yansã, cuja origem vem de Iyá mésan - a mãe transformada em nove"


Ogun - escultura de Carybé em madeira, em exposição no Museu Afro-Brasileiro, Salvador, Bahia, Brasil
Ogun - escultura de Carybé em madeira, em exposição no Museu Afro-Brasileiro, Salvador, Bahia, Brasil
  • Candomblé

Ogum ou Ogun é um orixá africano, é a divindade do ferro e protetor de todos que trabalham com esse metal: ferreiros, agricultores, escultores, mecânicos e dos militares.



15 de janeiro de 2008

Negro poeta de esquina

Meia-noite no gueto
Tem um preto parado na esquina
- Será ladrão ou vendedor de cocaína?
Se perguntam os tripulantes da barca são-paulina
Que se aproximam para abordá-lo
Interrogá-lo e espancá-lo
Não necessariamente nesta ordem, é claro

O homem permanece inerte
Ainda assim
Recebe um soco no rosto
Que é dado com gosto
Enquanto um segundo soldado
De um posto maior

Desfere-lhe um chute
Não há quem não escute, naquela noite
O açoite moderno
Mas só quem vê é o azul eterno
O celeste noturno...
Cassetete, coturno; cassetete, coturno!
Por um momento
Cessam então o linchamento e ordenam:
-Fala negro, não me enrola
O que faz na rua a essa hora?

-Venho aqui para fazer poesia
Sou poeta da lua
Por isso, troco a noite pelo dia
E é tão triste quem na lua se inspira

Apaixona-se por ela, tornando-a sua lira
Mas apesar dessa paixão que no peito tranca
Não pode com a mão tocar a bola branca
Invejo os astronautas
Eu, poeta, aqui tão distante
E eles, meros militares, lá em cima
Nos braços da minha amante
Sou poeta da rua
E nesse caminho estreito
Aprendi a andar, a cair, a levantar
E a ter respeito... Mas nunca temer!
É isso, senhores, o que eu tenho a lhes dizer
Agora, espero que me deixem
Continuar olhando o céu
Pois negro já nasce poeta
Mas também já nasce réu

- Ah, mas negro poeta...
Isso é afronta! É passar demais da conta!

Meia-noite no gueto
Tem um preto morto na esquina
Os olhos abertos, o corpo ferido
O céu todo refletido no centro da retina
Não era ladrão, nem vendedor de cocaína
Era simplesmente um poeta
Sem escola, sem berço...
Um poeta de esquina.

*Serginho Poeta
Poeta parceiro do Umoja, Publicou recentemente o livro Dois Poetas e um caminho em parceria com o poeta Binho.

13 de janeiro de 2008

Cantos Negreiros

Quem já viu essa apresentação sabe muito bem do que se trata, para os que ainda não conhecem basta dizer que na última quase a biblioteca desmorona.

Está de volta à Biblioteca Alceu Amoroso Lima o espetáculo literomusical "Cantos Negreiros". Apresentado com sucesso em 2007, o espetáculo mistura leituras de trechos dos contos de Marcelino Freire com canções afro, interpretadas por Aloísio Menezes, considerado uma das mais belas vozes da MPB. Nos dias 22 e 23 haverá também a participação de Fabiana Cozza, uma das grandes revelações do samba brasileiro.
A novidade da temporada é a presença, ao lado de Freire, dos poetas Glauco Mattoso (no dia 15), Daniel Minchoni & Rui Mascarenhas (no dia 16), Sérgio Vaz (no dia 22) e Arruda & Eunice Arruda (no dia 23).

Os poetas e cantores serão acompanhados pelo violão de Marcos Paiva, o cavaquinho de Rodrigo Campos e a percussão de Douglas Alonso e Felipe Roseno.
Dias 15, 16, 22 e 23 de fevereiro, às 19h







Capa do livro Contos Negreiros, de Marcelino Freire.





Biblioteca Temática de Poesia Alceu Amoroso Lima
Rua Henrique Schaumann, 777 - esquina com rua Cardeal Arcoverde
Pinheiros São Paulo, SP
Tel.: 11 3082-5023

10 de janeiro de 2008

2008

Salve povo UMOJA!!!!!

Estamos de volta.
2008 é nosso ano.

àsé a todos.